Menu

« »

Content

Câncer de próstata


Pesquisa revela que 44% dos homens nunca foram ao urologista

Pesquisa da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), que entrevistou cinco mil homens, revela que 47% dos entrevistados nunca realizaram exames para detectar o câncer de próstata, 44% jamais se consultaram com o urologista e 51% nunca fizeram exames para aferir os níveis de testosterona (hormônio masculino) no sangue.

Diante desses números, não é de se assustar que o câncer de próstata, hoje, seja o segundo que mais acomete homens, atrás apenas do câncer de pele não-melanoma, com ocorrência principalmente depois dos 65 anos. Em 2012, foram diagnosticados 60.180 novos casos dessa neoplasia, segundo o último levantamento realizado pelo Instituto Nacional do Câncer (INCA).

cancer1

Próstata

Ligada ao sistema reprodutor masculino, a próstata é uma glândula localizada na base da bexiga, onde é constituído parte do líquido seminal. Os tumores na próstata podem se desenvolver de duas formas. Alguns crescem rapidamente e se espalham pelo corpo, podendo levar à morte. A maioria deles, porém, demora aproximadamente 15 anos para atingir um centímetro, e entre oito ou dez anos para apresentar manifestações clínicas. “Muitos portadores de câncer de próstata não chegam a tomar conhecimento da doença, convivem com ela sem que haja prejuízos perceptíveis, chegando à morte por outros motivos”, conta Dr. Amândio Soares, diretor da Oncomed BH.

Todo homem carrega, em seu código genético, uma orientação para que a célula normal da próstata se transforme numa célula maligna, causadora do câncer. Paralelamente, gens protetores, chamados “supressores”, geram a destruição dessas células. Porém, “com o passar do tempo, e as diversas divisões celulares, pode ocorrer o acúmulo de perdas de gens supressores. Assim, a formação das células malignas no organismo é liberada”, explica o médico.

cancer2

Identificando a doença

De forma geral, os casos de neoplasia desse tipo não apresentam sintomas, principalmente se a doença estiver em estágio inicial. Por esse motivo, é recomendável que todos os homens a partir dos 40 anos de idade se submetam ao exame de toque retal e ao PSA (antígeno específico da próstata). Na primeira alternativa, o exame é feito por meio da análise do formato e consistência da próstata a partir do tato do especialista. “Apesar da alta incidência e dos riscos, muitos homens são resistentes ao exame de toque, ainda considerado um dos mais eficazes para detectar a doença”, conta Dr. Amândio.

Já o exame de antígeno, específico da próstata, determina o nível de PSA no sangue, uma proteína produzida exclusivamente pela próstata que tem sua quantidade aumentada significativamente em casos de câncer. “Isoladamente, o exame de PSA não é capaz de determinar se o indivíduo é ou não portador da neoplasia. O nível da proteína também cresce em caso de algumas infecções ou crescimento benigno da próstata. Daí a importância de fazer os dois exames”, explica o médico.

Apesar de raramente serem identificados através de sintomas, alguns merecem acompanhamento médico. “A dificuldade de liberar a urina, o jato urinário fraco ou o aumento do número de micções podem ser indicativos, mas não apontam necessariamente a presença do câncer de próstata, pois são comuns em casos de crescimento benigno da glândula”, atesta Amândio.

Fatores de risco

Cinco fatores podem favorecer o desenvolvimento do câncer de próstata, segundo a comunidade científica. O histórico familiar de câncer de próstata amplia as chances de o indivíduo desenvolver a doença. Sabe-se também que homens que não produzem testosterona têm menos chances de desenvolver a neoplasia. “A testosterona não causa o aparecimento do câncer, mas promove o crescimento do tumor em homens já portadores da doença”, explica o médico. Diversos estudos apontam ainda que uma alimentação rica em gordura animal está relacionada a maiores chances de incidência do câncer de próstata, fator detectado também em grupos de homens sedentários.

Por fim, a incidência desse tipo de câncer varia de acordo com a localização geográfica. “Alguns países apresentam maiores taxas de incidência que outros. Os países escandinavos, por exemplo, apresentam altíssimas taxas de incidência, enquanto o Brasil apresenta incidência mediana”, finaliza Amândio.

Tratamento

O tratamento do câncer da próstata é multidisciplinar, podendo envolver cirurgia, radioterapia, uso de hormônios ou quimioterapia. A escolha do tratamento ideal é feita dependendo do estágio da doença e das características de cada paciente. Se a neoplasia de próstata é diagnosticada em estágios iniciais, a cirurgia é uma das opções terapêuticas, assim como a radioterapia e a braquiterapia.

Serviço: Oncomed - Centro de Prevenção e Tratamento de Doenças NeoplásicasFuncionamento: segunda à sexta-feira, de 8h às 20hTelefone: 31 3299 1300Rua Bernardo Guimarães, 3106 – Barro PretoBelo Horizonte – MG

www.oncomedbh.com.br

  

botao voltar

Rosângela Cianci

Rosângela Cianci. Jornalista, blogueira, repórter, apresentadora, produtora de TV e idealizadora do site Universo de Rose. Incansável observadora do cotidiano, apaixonada pelo que faz. Ex-Secretária Executiva, sempre lidei com Diretoria e Presidência mas prestes a completar Bodas de Prata na área, resolvi desengavetar um sonho antigo: o Jornalismo. E parti pra nova luta com 40 (e uns anos), pois meu negócio é escrever e conversar sobre assuntos de A a Z...

E-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.