Menu

« »

Content

Dia Mundial da Saúde é celebrado com o tema “Depressão” e campanha “Vamos Conversar”

A campanha “Vamos Conversar”’ visa estimular a quebra de estigma da doença

A OMS (Organização Mundial da Saúde) decidiu marcar a passagem do Dia Mundial da Saúde, celebrado no dia 07 de abril, com a campanha “Vamos Conversar” com o objetivo de expurgar o estigma de pacientes, identificar sintomas, formas de prevenção e de tratamento a um transtorno que pode levar a consequências graves sem os devidos cuidados.

depressao2

A psiquiatra Analice Gigliotti, chefe do setor de Dependência Química da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro e diretora do Espaço Clif alerta que “O silêncio não é receita quando o assunto é depressão. Ao contrário, é hora de pôr fim a essa barreira e falar sobre a doença, a mais comum dentre todas no campo da psiquiatria.  Além de falar mais abertamente sobre a depressão, é preciso atentar para o silêncio intrínseco ao próprio paciente. Quando nesse estado, a pessoa fala pouco, se isola e na maior parte das vezes não busca ajuda”.

Segundo a especialista, falar sobre o tema ajudará a diminuir a distância entre quem tem a doença e o seu meio social, inclusive junto a profissionais de saúde, que poderão identificar melhor os sinais e encaminhar pacientes ao tratamento psiquiátrico adequado. Analice aplaude a campanha ‘Vamos Conversar’, da OMS, destacando que a quebra de preconceito é aliada importante para a cura.

 

“As pessoas com depressão ainda sofrem bastante em seu meio social. Quem está à volta muitas vezes provoca com frases como ‘isso é uma tristeza passageira’, ‘preguiçoso’, ‘você pode sair dessa sozinho’, o que leva o indivíduo a evitar a busca de tratamento”,  diz a psiquiatra.

Mas como identificar sintomas da depressão? A doutora explica: “o paciente com depressão definitivamente não está sozinho em sua angústia, que necessita de medicação. Atualmente, mais de 320 milhões de pessoas sofrem da doença e até 2020 será a enfermidade mais incapacitante no mundo. É fundamental que as pessoas próximas ajudem na identificação do transtorno a partir de sinais e sintomas”.

depressao1

E acrescenta: “É importante observar se a pessoa está deprimida ou triste a maior parte do dia e quase todos os dias; se perde o interesse e prazer nas tarefas; se sua autoestima está baixa; se sente muito inseguro; perde apetite ou peso; apresenta sonolência ou insônia constantes e excessivas. Em casos mais graves, é preciso atentar para a demonstração de exagerado sentimento de culpa e ideias de morte e procurar a ajuda de um psiquiatra”, afirma Analice.

A depressão, ressalta a OMS, afeta pessoas de todas as idades, condições sociais e de todos os países. A doença traz grande sofrimento mental e afeta a capacidade para realizar até mesmo as mais simples tarefas diárias. A depressão pode levar ao suicídio, que atualmente é a segunda principal causa de morte entre pessoas de 15 a 29 anos de idade. A entidade chama a atenção para três grupos especialmente afetados: jovens, mulheres em idade fértil (especialmente após o nascimento de uma criança) e idosos.

Os jovens sofrem de depressão e podem cometer suicídios, até mesmo crianças podem se matar. Falar sobre o assunto abertamente é muito importante para aumentar a conscientização, mostrar suas causas e possíveis tratamentos. Além disso, as pessoas podem se reconhecer na doença e assim buscar ajuda profissional”, destaca Analice, para quem o apoio de parentes e amigos é essencial ao tratamento.

No Brasil, ano passado, em torno 77 mil pessoas foram afastadas do trabalho com diagnóstico de depressão, parte deles atribuída à crise econômica: o gatilho é por conta de não conseguirem atender a crescente pressão no trabalho ou por estarem desempregados. De acordo com a OIT (Organização Internacional do Trabalho), a União Europeia gasta 3% do PIB com a saúde dos trabalhadores acometidos pela doença e, nos Estados Unidos, são gastos cerca de US$ 40 bilhões ao ano em tratamentos. 

botao voltar

 

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Carlos Cianci

Arquiteto,  formado há mais de 30 anos, com vasta experiência em projetos residenciais e comerciais, além de uns toques de paisagismo e design de interior. Neste universo todo, vou trazer para você, de forma prática, o melhor da arquitetura - tanto nacional como internacional e ainda te deixar por dentro das mais variadas e curiosas criações gastronômicas. Caso queira fazer uma consultoria, sinta-se a vontade, entre em contato e...boa leitura!!!

E-mail O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.